Entre em contato conosco - Acesse nosso site

Entre em contato conosco - Acesse nosso site
NUTRY UP- (21) 99386-8660

NOSSOS SERVIÇOS

NOSSOS SERVIÇOS
Manual de Boas Práticas, POPs , Treinamentos

Cartilha da ANVISA- para orientação de Manipuladores de Alimentos

Aproveitamento Integral dos Alimentos

Aproveitamento Integral dos Alimentos
MESA BRASIl

Prebiótico- Banana verde pode trazer benefícios à saúde e ajudar a emagrecer

quarta-feira, 29 de junho de 2011



O Jornal Hoje foi muito interessante pois mostrou os benefícios da banana verde e as formas de preparo. Não podia  deixar de postar esta reportagem e vídeo interessantes . 


 E principalmente sobre os estudos da inulina  .


Fonte: G1 Jornal Hoje 
Edição do dia 29/06/2011------29/06/2011 11h51 - Atualizado em 29/06/2011 14h21


acesso em 29/06/2011


Pesquisa mostra os benefícios da fruta. Com receita simples e barata é possível equilibrar a flora intestinal e reduzir medidas.

 Uma substância encontrada na banana verde, a inulida, pode melhorar o funcionamento do intestino. É o que diz uma pesquisa desenvolvida na Universidade Estadual do Rio Grande do Norte, com 65 mulheres entre 50 e 65 anos, durante cinco meses. Todas tinham as mesmas reclamações: sensação de empachamento, prisão de ventre, excesso de gases.
"A inulida estimula a produção de bactérias benéficas, que repõem a flora e aumentam a imunidade. Consequentemente temos mais saúde”, explica a pesquisadora Graça Moraes.
Acompanhe o Jornal Hoje também pelo twitter e pelo facebook
Ela testou nas pacientes os benefícios que a banana verde pode proporcionar ao organismo. O resultado, depois da ingestão diária da polpa da fruta, em jejum, associada a uma dieta saudável foi surpreendente. “Utilizamos a polpa para melhorar a flora intestinal dessas mulheres. Elas melhoraram da prisão de ventre, do estufamento do abdômen e do excesso de gases, que tanto as incomodavam. Além disso, observamos perda de peso e redução das taxas de colesterol”, relata Graça.
Lúcia é um exemplo disso. Uma das participantes da pesquisa, há dois anos ela inseriu a pasta da banana verde no cardápio diário, em jejum. Ao mesmo tempo, mudou o estilo de vida. Trocou o sedentarismo pela academia e faz exercícios todos os dias. Perdeu 6kg, 10cm de cintura e ganhou vida nova. “Toda a distensão abdominal foi embora e os incômodos que eu sentia, nunca mais senti hoje. Eu sou outra Lúcia, bem disposta, com a auto-estima lá em cima”.

A pasta é fácil de fazer. Numa panela coloque 1 litro de água para ferver. Em seguida, coloque três bananas. Cozinhe durante 15 a 20 minutos. Retire a casca e bata no liquidificador. Para cada banana utilize meia xícara de água. A pasta está pronta.
O ideal é consumir duas colheres de sopa por dia, antes do café da manhã ou antes de dormir. A pasta pode ser armazenada durante sete dias na geladeira, de preferência em um recipiente de vidro escuro. Ela pode ser consumida pura, ou então, acrescentada a diversos tipos de receitas, como bolos, tortas salgadas ou misturadas a sucos de frutas.
Veja no vídeo ao lado como preparar um suco nutritivo de banana verde:
Anote os ingredientes do suco que ajuda a queimar calorias:
- 300 ml de água
- 2 colheres de sopa da pasta de banana verde
- 1 maçã em pedaços
- 1 folha de couve picada (ela precisa ser escaldada antes)
- 1 fatia de abacaxi em cubos
Coloque tudo dentro do liquidificador e bata os ingredientes até ficar bem cremoso.
 

Noções Básicas sobre Alimentação e Nutrição

terça-feira, 28 de junho de 2011

Segue apostila sobre Noções Básicas sobre  Alimentação e Nutrição  da Série  MESA BRASIL SESC - Segurança Alimentar e Nutricional


O colesterol "supermau"

sábado, 25 de junho de 2011

FONTE: Isto é  por Cilene Pereira acesso em 25jun2011 


            Pesquisadores da Universidade de Warwick, no Reino Unido, anunciaram a descoberta do tipo de colesterol mais nocivo identificado até agora. Trata-se, na verdade, de uma forma de LDL com ação ainda mais prejudicial. Conhecido como colesterol ruim, o LDL deposita-se na parede dos vasos sanguíneos, obstruindo a passagem do sangue. A falta da irrigação sanguínea pode levar a um infarto do miocárdio (se ocorrer no coração) ou a um acidente vascular cerebral (AVC), quando a interrupção da circulação se dá em um vaso localizado no cérebro. O trabalho que revelou como se dá a formação do novo gênero de colesterol foi patrocinado pela Associação Britânica para o Coração e está publicada na edição online da revista científica “Diabetes”. 



O que os cientistas descobriram foi que, em determinadas circunstâncias, o LDL passa por um processo no qual moléculas derivadas do açúcar juntam-se a ele. Quando isso acontece, o LDL muda de formato. “Essa alteração expõe regiões na superfície do LDL que apresentam maior poder de aderência à parede dos vasos sanguíneos do que o LDL original”, explicou à ISTOÉ Naila Rabbani, pesquisadora do Grupo de Pesquisa de Sistemas Biológicos da universidade e coordenadora do trabalho. O resultado é que esse LDL (batizado de Mgmin-low-density lipoprotein) gruda mais nas paredes das artérias, tornando o acúmulo de gordura mais intenso.
         Os pesquisadores acreditam que esta é uma das razões pelas quais os diabéticos sejam tão vulneráveis a acidentes cardiovasculares. Nesses pacientes, a concentração das moléculas derivadas de açúcar que modificam a forma do LDL é de duas a cinco vezes maior do que entre os não-diabéticos. Portanto, argumentam eles, é de se supor que os portadores de diabetes apresentem taxas mais elevadas desse colesterol. Além deles, os estudiosos creem que os idosos também sejam mais vulneráveis.


      Por enquanto, não há medicação específica contra o colesterol supermau. Tampouco há um exame diagnóstico disponível. “Mas estamos trabalhando nisso”, adiantou Naila. A única maneira de se proteger é adotar uma dieta equilibrada, evitando excessos com açúcar e gorduras. “É preciso tentar evitar a oxidação do LDL”, explicou o cardiologista Daniel Magnoni, do Hospital do Coração, em São Paulo.




g.jpg

Para quase 80% dos pais, propaganda de alimentos prejudica as crianças

FONTE : O Estado de São Paulo acesso em 25 jun 2011

Quase 80% dos pais de crianças de até 11 anos acreditam que a publicidade de fast food e outros "alimentos não saudáveis" prejudica os hábitos alimentares de seus filhos. Os resultados são de pesquisa do Instituto Datafolha feita com 596 pessoas de todo o País.
Os entrevistados também afirmam que esse tipo de propaganda dificulta os esforços para ensinar os filhos a ter uma alimentação saudável (76%) e leva as crianças a amolar os pais para que comprem os produtos anunciados (78%).
O levantamento foi encomendado pelo Instituto Alana, ONG que luta pela regulamentação da publicidade dirigida à criança. Isabela Henriques, coordenadora do projeto Criança e Consumo, explica que foram considerados como "alimentos não saudáveis" aqueles com alto teor de gordura, sódio ou açúcar.
"Estamos vivendo uma epidemia de obesidade e existe um esforço da sociedade para ensinar as crianças a se alimentarem melhor", afirma Isabela. Mas a indústria de alimentos, diz ela, vai na contramão ao estimular as crianças a consumir produtos ricos em calorias e pobres em nutrientes. "A pesquisa mostra que os pais estão pedindo ajuda. Sozinhos, não conseguem frear esse bombardeio."
A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) discute desde 2006 a regulamentação da publicidade de alimentos não saudáveis. No ano passado, a agência publicou uma resolução determinando que esse tipo de propaganda fosse acompanhado de alertas para possíveis riscos à saúde, no caso de consumo excessivo. Mas essa regra foi suspensa graças a uma liminar concedida pela Justiça Federal em favor da Associação Brasileira das Indústrias da Alimentação (Abia).
O presidente da Abia, Edmundo Klotz, afirma que "discutir a publicidade de alimentos é uma coisa do passado". A indústria, diz ele, está trabalhando para deixar seus produtos mais saudáveis em vez de discutir teorias. "Praticamente eliminamos a gordura trans. Agora estamos reduzindo o teor de sódio. Até 2020, devemos atingir um ideal de "saudabilidade"", diz. Mas Klotz não comenta como deveria ser publicidade de alimentos até que esse "ideal" seja atingido.
Carlos Monteiro, da Faculdade de Saúde Pública da USP, explica que "por mais que você substitua a gordura trans de uma barra de cereal por gordura saturada, ela ainda terá grande densidade energética". O pior, continua, é que as pessoas acabam substituindo uma fruta por esse tipo de industrializado supostamente saudável.
Evidências. Em 2005, o Instituto de Medicina dos Estados Unidos revisou 123 estudos que investigavam a ligação do marketing com as preferências alimentares das crianças. A conclusão foi de que "a ideia de que algumas formas de marketing aumentam o risco de obesidade não pode ser descartada".
Em 2009, pesquisadores da Universidade Yale fizeram uma experiência para avaliar o impacto da publicidade de alimentos na TV sobre crianças em idade escolar. Lanches foram oferecidos a dois grupos de estudantes enquanto eles assistiam a desenhos animados. Os pesquisadores verificaram que no grupo exposto à publicidade de alimento, o consumo de lanches foi 45% maior. O estudo foi publicado na revista da American Psychological Association.
PARA ENTENDER
Empresas não cumprem pacto
Em agosto de 2009, as 24 maiores empresas do setor alimentício firmaram um compromisso público para limitar a publicidade dirigida às crianças. Elas deveriam detalhar, até o fim daquele ano, de que forma colocariam a ideia em prática.
Mas, segundo levantamento do Instituto Alana, até dezembro de 2010 apenas 12 das 24 empresas envolvidas no acordo haviam detalhado seu compromisso no site. Destas, apenas 8 possuíam a descrição dos critérios nutricionais que serviriam de base para determinar o que poderia ser considerado um alimento saudável ou não saudável. 


Hormônios determinam se bebê será obeso ou saudável quando adulto



fonte : Globo Reporter  acesso em 25 jun2011 Ismar Madeira


Quando uma grávida escolhe o que comer, está transmitindo para o bebê informações que ele vai levar para o resto da vida. Os alimentos influenciam na produção de hormônios que podem evitar ou levar a doenças.

A fisioterapeuta Bernadete Gonçalves está em um momento inesquecível para ela, e toda a satisfação é determinada pelos hormônios. Também chamados de mensageiros químicos, os hormônios são substâncias liberadas por glândulas ou órgãos do corpo e lançadas na corrente sanguínea. Quando fazemos exercícios físicos, eles nos dão a sensação de bem estar.
Tem ainda o hormônio do crescimento e os hormônios sexuais que regem a transformação física na adolescência. Diferentes na mulher e no homem, os hormônios estimulam e regulam várias funções do organismo. São funções tão complexas que se modificam em cada etapa da nossa vida.

Bernadete curte as primeiras roupinhas do filho que vai chegar. O quarto do bebê ainda não está pronto, mas ela não tem pressa. Agora, a fisioterapeuta pensa acima de tudo na saúde do bebê, Henrique. “Eu comecei a comer muito mais fruta, que eu não comia tanto. Comecei a comer das mais variadas. Todo o dia, eu tento variar nas frutas, e como tudo integral, alimentos integrais, queijo branco, fibra, muita aveia, linhaça”, declara.
Bernadete, aos 32 anos, está vivendo uma revolução dos hormônios. Com 27 semanas de gravidez, a fisioterapeuta espera o primeiro filho. “Às vezes, eu vejo uma coisa que me emociona e me dá vontade de chorar. Às vezes, está todo mundo com frio, e eu estou sentindo muito calor. Eu acho que é um turbilhão dos hormônios que mexem muito com as emoções”, comenta.
Quando uma  mulher grávida escolhe o que comer, está transmitindo para o bebê, ainda na barriga, informações que ele vai levar para o resto da vida. Os alimentos influenciam na produção de hormônios que podem evitar ou levar a doenças.
Bernadete está certa: 
“Durante a gestação e a amamentação, desequilíbrios na nutrição materna, tanto a desnutrição quanto a super alimentação ou a exposição a alimentos ricos em gorduras, ricos em açúcares, podem levar ao desenvolvimento de obesidade no filho na vida adulta”, explica a farmacêutica Ísis Hara Trevenzoli, da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ).
A tendência à obesidade é adquirida ainda na barriga da mãe. Pesquisadoras das universidades Federal e Estadual do Rio de Janeiro estudaram os efeitos da alimentação de ratinhas no futuro dos filhotes. O metabolismo desses bichos se parece com o de seres humanos.
O estudo comparou duas ratinhas e suas ninhadas. As duas mães tinham o mesmo peso. A partir do momento em que engravidaram, a primeira foi alimentada só com ração saudável. A outra recebeu ração com 20% a mais de gordura. Depois de 21 dias de gestação e 20 dias de amamentação, os pesquisadores perceberam uma diferença grande entre os filhotes. Os da ratinha com alimentação saudável pesavam em média 30 gramas. E os da ratinha que recebeu a ração gordurosa pesavam quase o dobro: em média, 58 gramas.
“Dietas que são ricas em gordura, por exemplo, alteram a composição do leite materno, e um dos hormônios que passa pelo leite a gente já sabe e já demonstrou que é a leptina”, aponta a farmacêutica Ísis Hara Trevenzoli.
A leptina é um hormônio que regula a fome e o gasto de energia. O excesso de gordura no corpo desequilibra a sua produção e compromete sua eficácia. Outros hormônios também são produzidos em quantidade indesejada, como os da glândula tireóide, que ajudam no emagrecimento ao acelerar o metabolismo, e a insulina, que regula a concentração de açúcar no sangue. Sua falta pode levar a diabetes, doenças cardiovasculares e renais.
Quando esse desequilíbrio na produção de hormônios ocorre no início da vida, ele pode ficar registrado para sempre, como na memória das nossas células. Dependendo da alimentação das mães na gravidez, uns vão continuar com a tendência a engordar mais, e outros não, ainda que todos consumissem os mesmos alimentos e tivessem o mesmo estilo de vida.
Essa é a conclusão da pesquisa. Foi assim com os ratinhos. Os filhotes foram acompanhados por seis meses, depois da amamentação, recebendo rações iguais. Os que nasceram da ratinha com alimentação saudável chegaram a 350 gramas, em média. E os da ratinha que recebeu a ração gordurosa alcançaram 515 gramas.
“É como se, através dessa memória, esses indivíduos fossem programados realmente para desenvolver algumas doenças crônicas na vida adulta, mesmo que eles tenham uma alimentação equilibrada”, afirma Ísis Hara Trevenzoli.
O mesmo pode ocorrer com quem passa fome na gravidez. Regimes rigorosos geram outro tipo de programação que pode afetar a produção de hormônios: a necessidade de poupar energia para o caso de faltar comida. “A energia que nós poupamos fica armazenada no nosso organismo na forma de gordura, no tecido adiposo, e vai engordando, ao longo da vida”, diz a farmacêutica.
“As mães devem evitar a alimentação em excesso e principalmente o excesso de gorduras e açucares. Elas devem focar em alimentos saudáveis, uma ingestão rica em fibras, com frutas, hortaliças, uma dieta bastante variada”, destaca a nutricionista Juliana Franco, da Universidade do Estado do rio de Janeiro (UERJ).
O resultado da pesquisa não é uma sentença definitiva. Segundo as especialistas, sempre é possível reverter os quadros de sobrepeso e obesidade perseguindo uma dieta saudável e com exercícios físicos. Bernadete sabe que isso é bom para ela e para o futuro do filho que vai nascer. “Agora, mais do que nunca, vou me alimentar melhor e fazer atividade física para ele crescer bastante saudável e ser um adulto saudável depois. Tenho que garantir o futuro dele bem saudável”, declara a fisioterapeuta.

fonte : Globo Reporter  acesso em 25 jun2011 

Embalagens podem confundir consumidor


Fonte: DIÁRIO DO GRANDE ABC ONLINE - SP disponível em http://www.cfn.org.br/ acesso e, 25 jun2011
Antes de escolher os ALIMENTOS nas prateleiras dos supermercados é preciso observar os ingredientes que vêm descritos nas embalagens. Sempre quando há menção de gordura hidrogenada ou gordura vegetal, é bom saber que na sua preparação foi adicionado GORDURA TRANS.
Por vezes, as embalagens divulgam zero por cento de GORDURA TRANS, mas é preciso ficar atento porque se refere apenas à porção caseira descrita Informação Nutricional ou rotulagem do produto. É que a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) especifica para cada produto sua porção caseira padronizada, ou seja, se você comer mais do que aquela quantidade indicada na porção caseira, estará ingerindo a GORDURA TRANS.
Como não se consegue quantificar percentualmente as pequenas porções, se diz zero de gordura. Outra maneira de verificar é através das letras VD (quantidade não estabelecida). Como não existe quantidade mínima estabelecida para ingestão de GORDURA TRANS, um fabricante mal intencionado pode se utilizar destes termos e confundir os consumidores menos informados.

Manual das Cantinas Escolares saudáveis

quinta-feira, 23 de junho de 2011

Segue material do Ministério da Saúde sobre Cantinas Escolares Saudáveis
fonte: CGAN acesso em 23 jun 2011

Alimentos Regionais Brasileiros

Segue abaixo uma lista do Ministério da Saúde sobre os principais alimentos Regionais Brasileiros.


10 orientações básicas sobre hábitos alimentares e estilo de vida para adultos

domingo, 19 de junho de 2011

Segue 10 orientações básicas sobre hábitos alimentares e estilo de vida, elaborado pelo Ministério da Saúde


FONTE : CGAN - acesso em 19 jun 2011


Cartilha da ANVISA- para orientação de Manipuladores de Alimentos

FONTE: ANVISA
acesso em 19 jun2011

Segue Cartilha da ANVISA- para orientação de Manipuladores de Alimentos:

Estado Unidos -nova abordagem de educação nutricional- projeto MY PLATE

Fonte e fotos : New York Times --> Neuman W. Nutrition Plate Unveiled, Replacing Food Pyramid. Disponível em:http://www.nytimes.com/2011/06/03/business/03plate.html?_r=1. Acessado em 19 jun2011





O novo projeto, chamado "MyPlate", foi projetado como uma parte da campanha de Obama contra a obesidade , projetado para lembrar os consumidores sobre os princípios de uma dieta  saudável  .Revelando uma imagem nova e mais simples de prato dividido em grupos alimentares básicos.


O prato é dividido em quatro seções, para frutas, legumes, grãos e proteínas. O círculo menor se representa os produtos lácteos.


Para Michelle Obama: "Este é um lembrete rápido e simples para todos nós sermos mais consciente dos alimentos que estamos comendo" .


O Prato foi criada pelo Departamento de Agricultura com o conselho da equipe da primeira-dama anti-obesidade e as autoridades de saúde federais.O Departamento de Agricultura disse que tinha conduzido grupos focais com cerca de 4.500 pessoas. O Departamento de Agricultura criou também  um site Web,ChooseMyPlate.com 
A primeira parte da campanha vai incentivar as pessoas a inserirem frutas e verduras em seus pratos
As fases posteriores alertarão aos consumidores para evitar porções grandes ( além do necessário), desfrutar da sua comida, mas comer menos e beber água em vez de bebidas açucaradas.

Evite as ciladas do namoro que te fazem engordar ( site minha vida participação Lidiane Martins )

domingo, 12 de junho de 2011

Segue abaixo artigo postado pelo site minha vida onde fui entrevistada no ano passado (2010) .


 Achei interessante postar novamente já que estamos hoje comemorando o dia dos namorados, namoridos etc...


Evite as ciladas do namoro que te fazem engordar ( site minha vida)


Segue abaixo artigo postado pelo site minha vida onde fui entrevistada

Por Ana Maria Madeira Publicado em 25/5/2010

Não faltam estudos dizendo que quem começa um namoro ou um casamento passa apuro com a balança. Em geral, muitos casais reclamam que a relação traz alguns quilos a mais. Uma pesquisa realizada por cientistas da Universidade de Queensland, na Austrália, comprovou que mulheres engordam 10 quilos em média, após assumirem compromisso estável. Já a média entre os homens é de 7,5 quilos. Para a nutricionista da Nutryup, Lidiane Martins, quando estamos mais felizes em relações estáveis, nosso apetite pode aumentar. "Queremos partilhar o prazer, aí saímos mais para jantares, cinema - sem perceber o peso aumenta", diz




Desencalhei, logo desencanei

Um dos fatores está ligado à conquista. Quando encontramos a cara-metade e estamos satisfeitos sentimentalmente, a vontade de conquistar outras pessoas diminui, junto com a preocupação com a aparência. O técnico em TI Pablo Balieiro, de 25 anos, conta que engordou dez quilos durante um namoro de dois anos e meio. "Eu me sentia aceito, seguro. Sabe quando você se acomoda? Tipo: 'pronto, achei alguém, agora vou relaxar'."

Esse pensamento é frequente entre os pombinhos, sendo um dos motivos do ganho de peso. De fato, por um lado é importante não se cobrar tanto em relação à aparência. Mas, para o terapeuta Vicente Godino, "a extrema preocupação com a imagem não nos deixa, muitas vezes, relaxar e curtir o outro de verdade". Entretanto, se você descuidar do próprio peso, da aparência, sua saúde e sua autoestima ficarão comprometidas, o que só faz mal aos seus relacionamentos.

Há também o fator influência: quando seu companheiro tem um estilo de vida diferente do seu, você tem grandes chances de acabar tomando emprestado alguns de seus hábitos, afinal, vocês passam boa parte do tempo juntos. A designer Renata Moraes, 27 anos, engordou cinco quilos quando namorava um obeso e acha que isso teve, sim, influência no seu ganho de peso. "Quando vi que estava engordando por conta dos passeios gordos que fazíamos e das gostosuras que estavam sempre no nosso cardápio, comecei a ficar com receio de me tornar obesa. Isso acabou abalando meu relacionamento com ele também", avalia ela.

Gostosuras de namorar

Sair para jantar naquele restaurante delicioso, com direito a sobremesa - ou ficar em casa assistindo a um filminho, com direito a muita pipoca e ganhar bombons de presente: tudo tão típico (e tão bom!) em um namoro, mas nada light. "Acabamos comendo mais, porque a alimentação está ligada aos sentidos e ao estreitar de laços, que são dois pontos que queremos estimular quando estamos com o parceiro", diz a nutricionista Lidiane Martins.

O linguista Diego Jiquilin Ramirez mora na Espanha e está namorando há cinco meses. Ele assume que somar a novidade das delícias da gastronomia espanhola a um novo relacionamento não tem feito nada bem para a balança. "É muito gostoso fazer o turismo gastronômico ao lado de alguém. E quando não saio de casa, sempre tem algo romântico (e piegas) na geladeira: chocolates, morango com chantilly...". Além disso, seu namorado, Santiago Canto Ortiz não hesita em cozinhar delícias típicas bem calóricas na tentativa de agradá-lo. "E como não recuso comida, não vejo problema em comer tudo que ele prepara", completa.

A programação gastronômica do namoro costuma levar a culpa pelos números a mais no manequim. Livia Di Bartolomeo conta que os programas com o namorado Thiago Gonçalves sempre acabam girando em torno de comida. "Quando não tem nada para fazer é sempre: 'vamos comer?'. Tudo é desculpa para comer, menos a fome. Depois de ir ao cinema, vem pizza. Vamos a um restaurante bater um papo, e mais comida!". Com 23 anos, Livia engordou seis quilos desde que começou a namorar, há pouco mais de cinco anos e está lutando para perdê-los. Houve um processo radical de mudança no cardápio de Livia, que tinha uma alimentação bem restrita, não comia nada que fosse considerado junkie food, nem refrigerante e doces - o que mudou totalmente desde que conheceu Thiago.

Sai deste corpo que não te pertence!

Mudar os hábitos junto com a pessoa amada não é algo tão simples. Mas se você anda insatisfeito com a balança, saiba que seu companheiro pode te ajudar. Se não for possível conciliar dias da semana de malhação, ao menos substituam alguns programas por algo com mais movimento. Uma caminhada no parque é, além de saudável, algo romântico, assim como um passeio de bicicleta ou um banho de mar. Fazer exercícios físicos junto com alguém pode ser benéfico, uma vez que a interação social ajuda tanto você a se sentir estimulado, quanto a estreitar os laços com o parceiro. Mas nada de desistir na primeiras semanas, como fez a jornalista Monique Tobias: "engordei dez quilos no meu atual namoro, que dura quatro anos. Por um tempo, começamos a fazer caminhada juntos, mas já desisti, pois não gosto de exercícios. Agora tentarei uma dieta, para correr atrás do tempo perdido", conta ela.

Ah, os restaurantes!

Substituir os roteiros gastronômicos também é importante. No cinema, a pipoca é até permitida, mas opte pelo um saco médio e divida com seu companheiro. Quando saírem para jantar, uma boa dica é optar por refeições a la carte e evitar rodízios, já que tendemos a exagerar na quantidade. "Se o prato for grande, peçam um e dividam. Dessa forma, vocês evitam as calorias extras", diz a nutricionista Lidiane Martins. Dispensem o couvert, para economizar calorias desnecessárias. Confira abaixo, outras dicas da especialistas para manter o peso sob controle.

- Em um restaurante japonês, por exemplo, evite os rolinhos primavera, o tempurá e o hot philadelphia que são preparações fritas e calóricas. Prefira outras opções saudáveis na culinária oriental como shitake, shimeji, missoshiro, camarões cozidos, frango grelhado, sashimi, tofu e legumes.

- Quem não dispensa organizar um churrasco para os amigos e a família pode torná-lo mais magro, evitando carnes gordas como cupim, a picanha e a maionese. Opte por peixe, frango e espetinho de legumes e saladas.

- Na pizzaria, também é bom evitar os rodízios; escolha um restaurante com opções mais saudáveis, como pizzas de rúcula com tomate seco, brócolis e atum. Evite sabores gordurosos como quatro queijos, presunto, pepperoni, calabresa e pizzas doces de sobremesa.

- Na escolha de bebidas, drinks alcoólicos, vinho e cerveja podem ficar reservados para datas especiais, pois essas bebidas possuem muitas calorias, bem como refrigerantes. A melhor opção são os sucos naturais sem açúcar.

- É fato que fazer uma reeducação alimentar e dieta junto com o parceiro traz um bom estímulo e, consequentemente, mais resultados. Entretanto, quem decide fazer um regime em conjunto deve tomar alguns cuidados, pois seguir exatamente o mesmo cardápio que não faz sentido e pode trazer riscos à saúde. "O acompanhamento nutricional é fundamental nessas horas e é algo individualizado", diz Lidiane.

 

2009 ·Nutry Up by TNB